segunda-feira, 31 de outubro de 2011

sexta-feira, 28 de outubro de 2011

Inscrições para o almoço

A lista das inscritas, e inscritos, para participar no almoço tem vindo a crescer. Neste momento estão inscritos 243 potenciais convivas sendo assinalável o equilíbrio entre sexos pois as inscrições de mulheres representam 44% do total. Este facto é tanto mais notável quanto a participação das mulheres nos orgãos dirigentes do MES foi praticamente nula, o que não correspondia à participação efectiva nas actividades.

Não se admirem pela discrepância entre o número de convivas que constam na lista publicada no blogue e o que aqui anunciamos. Na verdade há convivas inscritos no almoço que, por sua vontade, não constam da lista publicada. Alguns serão uma surpresa. E sabemos que, como sempre, à última hora surgirão novas inscrições.

Apelamos, em qualquer caso, por razões de organização, a que se inscrevam até ao dia 7 de Novembro e que façam o pagamento por via electrónica.

Espólio ainda vivo

Como já foi anunciado vamos organizar no decurso do almoço uma recolha do "espólio ainda vivo" do MES com a colaboração do Centro de Documentação 25 de Abril de Coimbra. Será criado um espaço para recolher os materiais que cada um queira levar. Sabemos que ainda há quem tenha na sua posse muito material que corre o risco de se deteriorar e perder para sempre. Esta iniciativa cria uma oportunidade única que permite recolher esse material - documentos em diversos suportes referentes ao MES - e dar-lhe um destino digno e útil.

quarta-feira, 26 de outubro de 2011

António Pedro Ruella Ramos

Foi este homem que permitiu que o jornal   "Esquerda Socialista", órgão do extinto MES, se tornasse realidade. Após o 25 de Abril, quase certamente a pedido do José Manuel Galvão Teles, a Renascença Gráfica compôs e imprimiu aquele jornal e alguns dos mais interessantes cartazes de autoria do Robin Fior.

domingo, 23 de outubro de 2011

Prolongamento do prazo de inscrições até 7 de Novembro de 2011

O prazo de inscrições para o almoço terminava ontem, dia 21 de Outubro.
Já estão inscritas 218 pessoas.
Muitas inscrições foram feitas esta semana porque tem havido um problema técnico com o endereço electrónico que disponibilizámos para o efeito : mes7nov@gmail.com .

Assim sendo a Comissão de Recepção decidiu ampliar o prazo de inscrições até dia 7 de Novembro.

As inscrições deverão ser feitas para os endereços electrónicos :
mes7nov@gmail.com e/ou antonio@in-interiorismo.com

E em caso de dificuldades estejam à vontadae para telefonar para o António Pais : 91.863.92.57.

Todos os detalhes sobre o almoço estão aqui .
Agradecemos desde já a todos os que se inscreveram e que têm divulgado a iniciativa pelos meios ao seu dispor.
Iremos dando mais informações através do blogue.

A Comissão de Recepção

terça-feira, 18 de outubro de 2011

Cartaz do MES

Imagem cedida por Margarida Boto.
Clicar no cartaz para aumentar.

Cartaz do MES - Lisboa, Ano : 1975, Arquivo : BN

sexta-feira, 14 de outubro de 2011

história(s) gráfica(s) do MES


No almoço/convívio do próximo dia 12 de Novembro está incluído um programa que, o mais informalmente possível, deverá interessar aos convivas e mobilizá-los para a festa.
Já começamos a divulgar, com o projecto "espólio" , esse programa ainda sem horas, nem sequência, pois o melhor será mesmo manter o espaço para a improvisação (organizada) e, eventuais, surpresas.

Também teremos uma apresentação da história(s) gráfica(s) do MES, por Robin Fior, designer, inglês, residente em Portugal desde 1973, autor da imagem gráfica inaugural do Movimento de Esquerda Socialista.

quarta-feira, 12 de outubro de 2011

Melhorar o processo das inscrições

Tem-se verificado que algumas das inscrições se têm deparado com dificuldades de acesso ao e-mail disponibilizado (mes7nov@gmail.com) para o efeito.
Desconhecemos as razões.
Por isso passamos a disponilizar mais um mail para inscrições :
E também o nº de telemóvel do António Pais ( 91.863.92.57 ) para qualquer ajuda ou esclarecimento.
Ambos já estão ali na coluna da direita na caixa das incrições.

A Comissão de Recepção

terça-feira, 11 de outubro de 2011

Espólio do Movimento de Esquerda Socialista (MES) ainda vivo

Muitos de nós possuem vários materiais alusivos ao MES : jornais, recortes de  imprensa, panfletos, cartazes, autocolantes, slides, fotos, registos de áudio ou de vídeo...um conjunto não só de memórias, mas de importantes fontes de pesquisa mais úteis para os que ao longo dos tempos vão fazendo a História.
É certo que uma forte relação afectiva nos liga a este espólio do MES, mas temos consciência que se o mesmo não for entregue a uma instituição credível, correrá sérios riscos de mais tarde se perder.

Por isso vos convidamos a aderir ao Projecto " ESPÓLIO DO MOVIMENTO DE ESQUERDA SOCIALISTA (MES) AINDA VIVO"

O Centro de Documentação 25 de Abril, sediado em Coimbra, encontra-se disponível para continuar a receber este espólio, dando-lhe o devido tratamento, para que possa ser consultado por todos os interessados, no presente e no futuro.
Aceitam também documentos digitalizados.

PARA QUE A MEMÓRIA DO MES NÃO SE PERCA, PARTICIPEM NESTE PROJECTO !
NO DIA DO NOSSO ALMOÇO HAVERÁ UM LOCAL PARA RECOLHA DO QUE QUISEREM ENTREGAR.

Poderás também dirigir-te directamente ao Centro de Documentação 25 de Abril :
Dra. Natércia Coimbra

Rua Augusta, 25
3000 Coimbra

Tel : 239.484.037
Correio electrónico : ucd25a@ci.uc.pt

A Comissão de Recepção

segunda-feira, 10 de outubro de 2011

O discurso do MES silenciado no 1º de Maio de 1974 - António Santos Júnior

Ainda decorriam os primeiros dias após a libertação quando ocorreu um episódio significativo, pelo menos para a história do MES (Movimento de Esquerda Socialista), envolvendo um dos seus mais ilustres dirigentes fundadores. Em plena euforia vivida nos dias que se seguiram ao 25 de Abril de 1974, havia que reunir as forças que em diversos sectores da oposição ao fascismo se não identificavam, à esquerda, nem com comunistas nem com socialistas, nem tão pouco com os grupos marxistas-leninistas, dissidentes do PCP.
Num livrinho publicado cerca de dois meses após o 25 de Abril, intitulado Intervenção Política I, «O MES afirma-se como Movimento, reivindica-se Socialista e demarca-se como de Esquerda, e defende, como princípio fundamental que, conforme as lutas dos trabalhadores de todo o mundo têm demonstrado, a emancipação dos trabalhadores só pode ser obra dos próprios trabalhadores». E a concluir a Introdução afirma-se: «O socialismo é a associação livre de produtores livres e iguais, a sociedade em que aos produtores e apenas a eles caiba decidir o que se produz, como se produz e para que se produz».
Foi com este espírito, repleto de ressonâncias libertárias, que os dirigentes de uma amálgama de movimentos sectoriais, associados a lutas de base, se foram unificando dando origem ao que viria a ser o MES pré-anunciado num pano, desenhado de forma artesanal, que desfilou na grande manifestação do 1º de Maio de 1974.
Entretanto caiu no esquecimento que estava prevista, no final da manifestação do 1º de Maio de 1974, uma intervenção de um representante do MES. Essa intervenção estava a cargo do destacado militante sindical e operário António Santos Júnior que «não pôde concluir a leitura do seu discurso porque uma parte da assistência o interrompeu aos gritos».
Como se escreve numa nota que acompanha a transcrição do discurso, na publicação em referência, «como a sua determinação em prosseguir fosse manifesta certos indivíduos com fins inconfessáveis conseguiram com o Hino Nacional transmitido pelos altifalantes impedi-lo de prosseguir.Distribuído à imprensa diária, que silenciou aqueles factos nos relatos sobre o comício efectuado no estádio, houve manifestos interesses que impediram a sua divulgação, pois apenas dois jornais, passados alguns dias depois do 1º de Maio, publicaram o discurso.»
Aqui deixo, na íntegra, a intervenção silenciada de ANTÓNIO SANTOS JÚNIOR no 1º de Maio de 1974:
«Camaradas!
Trabalhadores!
Para os que não me conhecem: Eu fui presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de Lisboa e da Federação dos Sindicatos dos Metalúrgicos durante 4 meses até ser destituído pelo Governo de Marcelo Caetano.
Estou aqui para, com a minha voz de trabalhador, vos falar em nome do Movimento de Esquerda Socialista (em organização).
Antes de mim falaram representantes do Movimento Democrático, do Partido Socialista, do Partido Comunista.
Já antes do 25 de Abril não eram só estas organizações que existiam.
Existiam outros movimentos que se manifestavam em lutas operárias:
- Na Fábrica.
- Nos Sindicatos.
- No nível político através dos grupos socioprofissionais mistos (surgidos na movimentação do período eleitoral de 1973 e que desde então continuam a trabalhar).
Manifestavam-se também nas lutas estudantis e na luta anti-colonial.
Em todas estas lutas fez-se sentir o peso esmagador dos trabalhadores que as levaram por diante, embora nelas também se tenham integrado cristãos revolucionários e elementos socialistas.
No fim de contas um grande grupo de pessoas lutava, luta e jamais deixará de lutar por um socialismo perfeitamente controlado em todos os seus aspectos, desde o económico ao político, do cultural ao social, pela classe operária! Repito, uma sociedade que seja controlada em todos os seus aspectos pela classe operária!
Camaradas Trabalhadores, neste momento saudamos os soldados de Portugal, o Movimento das Forças Armadas que derrubaram os aparelhos de Opressão constituídos e que criaram, portanto, condições absolutamente novas para o desenvolvimento da nossa luta de trabalhadores.
- efectivamente a censura acabou
- a PIDE, Legião e outras organizações estão a ser destruídas.
Mas … Tenhamos atenção. Nem todas as formas de repressão foram já abolidas.
Todos nós sabemos que a repressão que até agora vínhamos sentindo e sofrendo nas fábricas e em todos os locais de trabalho vai pretender continuar!
Formas de repressão tais como: despedimentos repressivos nas fábricas e em todos os locais de trabalho. As cargas policiais sempre que nós trabalhadores entrávamos em greve ou por qualquer outra forma lutávamos pela defesa dos nossos interesses. A recente luta dos trabalhadores da TAP foi disso o mais recente exemplo, mas foi também um dos raros momentos na história recente das nossas lutas em que nós trabalhadores nos conseguimos opor vitoriosamente à repressão: as forças policiais tiveram de recuar e nem um só dos nossos camaradas foi despedido. A acção dos bufos e de todos aqueles que nos locais de trabalho ajudam o patronato a impor-nos a sua tirania.
Contudo … Também a nossa exploração continua! Concerteza que os patrões vão pretender continuar a pagar-nos salários miseráveis e ajudados por essa miséria onde nos lançam obrigar-nos a aceitar horas extraordinárias em série em vez de satisfazerem as nossas reivindicações de redução de horário de trabalho.
Vão continuar a obrigar-nos a trabalhar em péssimas condições de higiene e segurança, vão no fim de contas continuar a explorar-nos!
Por isso perguntamos:
A exploração irá continuar?
As Caixas de Previdência vão continuar a estar ao serviço dos capitalistas e dos colonialistas ou vão passar a estar nas nossas mãos e portanto ao serviço do todo o povo?
Será que muitos de nós vão continuar em casas miseráveis ou em barracas enquanto outros vivem em luxuosas vivendas que são autênticos palácios?
Será que vamos continuar a perder longas horas do nosso dia em transportes incómodos e cada dia mais caros, enquanto outros têm vários automóveis, qual deles mais caro e com os seus motoristas particulares?
Será que as escolas dos nossos filhos vão continuar a ser fábricas e oficinas ou será que as escolas neste país se vão finalmente abrir para todos os filhos do povo?
Será que a Guerra e exploração coloniais vão continuar?
Se queremos ser nós a construir o futuro do nosso país e não admitimos que ninguém o faça em nosso nome, não devemos contribuir para que os povos das colónias possam também tomar nas suas próprias mãos os destinos dos seus países?
A resposta a todas estas perguntas devemos ser todos nós a dá-la diariamente da única forma que serve efectivamente os nossos interesses de trabalhadores, que serve efectivamente os interesses do povo!
A nossa luta tem de continuar sem desfalecimentos e só terminará com a construção de uma sociedade sem classes sem exploradores nem explorados, de uma sociedade onde não tenhamos de nos vender diariamente!
Temos de construir uma sociedade socialista!
Este é o nosso objectivo e para o atingir estamos abertos à mais ampla colaboração com todas as forças políticas que igualmente lutam pela emancipação de todo o povo, pela construção do socialismo.
CAMARADAS!
É necessário não esquecer nunca uma verdade que a história das lutas dos trabalhadores em todo o mundo tem demonstrado!
A EMANCIPAÇÃO DOS TRABALHADORES SÓ PODE SER OBRA DE NÓS PRÓPRIOS TRABALHADORES!!!»
Texto daqui.
Foto de Rosário Belmar da Costa.

sábado, 8 de outubro de 2011

"ESQUERDA SOCIALISTA" (nº1)

"Esquerda Socialista" jornal do Movimento de Esquerda Socialista, disponível na Hemeroteca Digital da Câmara Municipal de Lisboa. Pode ser visto na íntegra aqui .

quarta-feira, 5 de outubro de 2011

ALMOÇO : local + horário + preços


A Comissão de Recepção está em condições de informar dos detalhes do almoço.

1. DATA e HORÁRIO
12 de Novembro de 2011 (sábado)
Recepção a partir das 12 horas.
Almoço a partir das 13h 30m.

2.LOCAL
Grande Restaurante - INATEL da Caparica
Av. Afonso de Albuquerque - S. João da Caparica
2825-450 Costa de Caparica


3.PREÇOS
Até 4 anos : gratuito.
Dos 4 aos 8 anos : 10 €
Mais de 9 anos : 22 €

4.FORMA DE PAGAMENTO
Por transferência bancária para o NIB : 0007 0000 00180777640 23 (Maria Helena Caniço) até ao dia 3 de Novembro (5ª feira).

Solicitamos que, após feita a transferência, nos informem para mes7nov@gmail.com do seguinte :
- Nome de quem efectuou transferência.
- Data e montante da transferência.
- Nome(s) e idades de eventuais acompanhantes.
Agradecemos ainda que levem os talões comprovativos da transferência no dia do almoço, a fim de facilitar o esclarecimento de alguma dúvida.

A quem optar por pagar no dia do almoço, agradecemos que levem trocado para faciltar e agilizar o processo de entradas e assim podermos ter tempo para pôr a conversa em dia e almoçar bem.

Até dia 12 de Novembro.

A Comissão de Recepção